sábado, 28 de novembro de 2009

2.ª Prova do Campeonato GT OPEN 2009




Campeonato GT OPEN 2009



2.ª prova



27 de Novembro de 2009



No passado dia 27 de Novembro de 2009 decorreu a 2.ª prova do Campeonato GT OPEN 2009 organizado pelo Clube Slot de Braga e pelo GT Team Slot Clube.


O campeonato deslocou-se desta vez para a pista do GT Team Slot Clube, aguardando-se com expectativa a forma como os modelos escolhidos se iriam comportar neste sempre difícil circuito.

A pista do GT Team Slot Clube "by" Hugo Figueiredo

Em prova apresentaram-se 13 pilotos, os quais fizeram alinhar modelos da NSR, Spirit e Ninco, surgindo em larga maioria os Mosler da NSR, os quais demonstraram ser uma mais valia logo na primeira prova.








O Hugo Figueiredo procedeu às verificações técnicas, não dando um milímetro de tolerância aos veículos apresentados pelos pilotos.





Imagem do parque fechado, notando-se o predomínio do modelo Mosler da NSR




video

Vídeo da qualificação do José Pedro Marques



A qualificação decorreu na calha branca, tendo o Luís Azevedo conquistado a pole position, seguido do Augusto Amorim e do Emídio Peixoto.





Pilotos da primeira manga:


- José Ferreira;

- José Eduardo;

- José Pedro Vieira;

- Hugo Figueiredo;

- José Pedro Marques;

- Miguel Queirós;

- Pedro Correia.







Carros que alinharam na primeira manga:

- dois Peugeot da Spirit;

- 1 Mosler da Ninco;

- 2 Mosler da NSR;

- 1 Porsche 997 da Ninco;

- 1 Ferrari da Ninco.


A primeira calha da primeira manga mostrou desde logo um Hugo Figueiredo muito rápido, sendo sempre seguido de perto pelo Miguel Queirós. O Hugo conseguiu com alguma naturalidade vencer a primeria manga.
O José Pedro Marques conseguiu igualmente apresentar um andamento muito rápido, embora sentindo dificuldades de estabilidade em curva no seu Mosler da Ninco.
O Pedro Correia lá apresentou o seu Mosler da NSR amarelo, conseguindo um andamento igualmente muito rápido, embora com algumas dificuldades ao nível da estabilidade em curva.
O José Eduardo sofreu uma avaria logo no início que o arredou da luta pela vitória na manga e de uma boa classificação na geral. No entanto, regista-se o facto de, uma vez resolvida a avaria, ter vencido consecutivamente as calhas em que correu, dominando o andamento dos restantes pilotos.
O José Ferreira, conforme já nos tem habituado, acabou por desistir com mais um problema mecânico, ao qual não terá sido alheio o elevado número de despistes que sofreu, anotando-se os dois despistes seguidos que teve em plena recta da meta.




Pilotos que alinharam na segunda manga:

- Vítor Lopes;

- Emídio Peixoto;

- Augusto Amorim;

- Luís Azevedo;

- António Maia;

- Nuno Aguilar.


A primeira calha da segunda manga mostrou desde logo um Luís Azevedo ao ataque, assumindo a liderança na primeira curva e averbando tempos impressionantes, deixando logo a ideia de que não iria dar qualquer hipótese à concorrência.

Quanto aos outros pilotos, apenas o Emídio Peixoto mostrava alguma capacidade em manter um andamento rápido e sem despistes, procurando sempre não deixar fugir demasiado o Luís Azevedo.

Os restantes pilotos da manga, não obstante apresentarem um andamento muito rápido, sentiam muitas dificuldades manter os veículos dentro das calhas.

E assim decorreu a manga até à quarta calha, onde o Luís Azevedo começou a sentir dificuldades ao nível das palhetas e que não mais permitiram o andamento que mantinha anteriormente.

Contrariamente ao Luís, o Emídio Peixoto chegou às calhas mais rápidas com o seu Mosler ao melhor nível registando tempos muito rápidos e conseguindo neutralizar toda a vantagem do Luís e obter a preciosa vantagem de uma volta para a última calha.

Na última calha, após verificar que o seu carro era mais rápido em pista, o Emídio limitou-se a controlar o andamento do Luís e conseguir, dessa forma, a primeira vitória neste novo campeonato GT Open de 2009.

Quanto aos restantes pilotos da segunda manga, importa referir a fantástica prova do António Maia, o qual conseguiu alcançar o terceiro lugar final, o que o deixou satisfeitíssimo, embora sempre preocupado com a prova de fórmula 1 do dia seguinte, campeonato que liderava com uma vitória.


O Vítor Lopes, com um Mosler da NSR rapidíssimo, conseguiu desta vez suplantar o Nuno Aguilar, conquistando o quarto lugar e o quinto lugar, respectivamente.


O Augusto Amorim, que sentiu dificuldades ao nível da estabilidade do seu Mosler da NSR - o qual foi montado no mesmo dia -, ficou arredado para o sexto lugar.





Alinhamento final geral, demonstrando o absoluto domíno dos Mosler da NSR, os quais conquistaram os primeiros sete lugares da geral. O Miguel Queirós foi o primeiro piloto da geral com um carro sem ser um Mosler da NSR.





Pódio da prova:

1.º Emídio Peixoto;

2.º Luís Azevedo;

3.º António Maia




Para aceder aos resultados da prova e do campeonato aceda ao seguinte link:



A próxima prova decorrerá na próxima Sexta-feira na pista do Clube Slot de Braga.

Todos estão convidados para comparecer e/ou participar.

12 comentários:

Luís_pala disse...

PARABENS EMIDIO (:

José Marques disse...

http://go-slot.blogspot.com/2009/11/campeonato-gt-open-2-prova.html

se não fossem os problemas com a spalhetas de varios pilotos os resultados seriam bem diferntes :D

Miguel Queiros disse...

Boas.

Parabéns ao Emídio por esta grande vitória.

Parabéns também ao Maia pelo 3º lugar. Um pódio nesta categoria não é fácil, mas parece que o Maia está a tomar-lhe o gosto... a continuar assim quero ver quem é que o vai tirar de lá depois... lol!!!

E o Luís também merece parabéns. Mesmo a sentir que a vitória lhe estava a fugir durante a última calha manteve um andamento rapidíssimo e sem falhas, não perdendo a concentração debaixo de forte tensão. E assim assegurou o 2º lugar final.

Fico muito feliz por ter sido o 1º não Mosler NSR. Mas não fossem os problemas do Professor no início da corrida seguramente a história teria sido outra...

De facto o Mosler NSR é o modelo a abater neste campeonato.
Tanto é assim que mesmo parados são mais rápidos que os restantes modelos. Assim o demonstrou o Hugo na 1ª calha da 1ª manga. Tive muita dificuldade em acompanhar o rapidíssimo andamento que ele impôs a partir da calha virtual! LOL!!!

Boas gatilhadas!

Augusto Amorim disse...

Parabéns ao Emídio pela excelente victória. Parabéns ao Luis e principalmente ao Maia pelo grande resultado.

Relativamante ao Mosler, sem dúvida que é o carro a abater, no entanto requer algum tempo até se obter a afinação de forma a ser estável.

Abraço
Augusto

Hugo Figueiredo disse...

Parabéns ao Emídio, que assim registou finalemente uma vitória, acho que já lhe fugia há algum tempo (até antes das 24 Horas do Porto, julgo eu...)

Quanto aos Mosler, concordo que o actual regulamento parece favorecer este modelo. No entanto, convém não esquecer que o Augusto levou um Ninco Ascari ao 2º lugar da primeira prova. Julgo que a comparação está a ser feita a partir do Peugeot Silhouette e este não será talvez o rival mais forte, com as actuais condições.

Como diz o Augusto, afinar um Mosler é um verdadeiro quebra-cabeças, e a minha prestação mostrou bem o que um Mosler com défice de preparação é (não) capaz... :)

José Marques disse...

se um Mosler NSR é dificil de preparar imagina um mosler da NINCO, tive a tarde toda na GT Team na sexta e bastava pegar no carro para ele ficar mais fraco.

Durante a tarde cheguei a rodar em 7.8 na calha amarela dez minutos a seguir ja me via a rasca para fazer 7.9

Acho que este campeonato está a decidir se de longe no carro

Olha o vídeo da prova :D
http://go-slot.blogspot.com/2009/11/video-gt-open-2-prova.html

Miguel Queiros disse...

Boas.

Sem querer causar grande polémica, mas porque não concordo com algumas coisas escritas:

- o regulamento não "parece" favorecer o Mosler NSR. Pelo contrário, favorece-o declaradamente: contem excepções que se aplicam exclusivamente a este modelo; O mesmo tipo de contemplações não foi tido para modelos de outros fabricantes, como os Ninco.

- Independentemente de a comparação estar a ser feita a partir de um piloto de Peugeot ou não, da lista de modelos admitidos, considero que não há modelo que possa equiparar-se ao Mosler em prestações. Nenhum dos restantes é mais baixo, mais largo nem tem tanto apoio dianteiro do chassis como o Mosler NSR. Este tem estas 3 características juntas; ainda não confirmei, mas duvido que mesmo o novo Lambo Murciélago da Ninco consiga equiparar-se.

- Nas presentes condições, o Peugeot Spirit é tão forte como outro qualquer rival, mas, também como qualquer outro rival, exige uma preparação cuidada e própria (que estou, aos poucos a descobrir).

- mesmo com problemas de afinação, os Mosler são mais rápidos. O Peugeot melhor classificado ficou a 4 voltas de um Mosler com défice de preparação. Aliás, basta comparar tempos na tabela e perceber de que é capaz um Mosler "mal preparado" comparativamente aos outros modelos...

- o que demonstra a 1ª prestação do Augusto com o Ascari na 1ª prova é que o Augusto é um grande piloto; Por outro lado esse Ascari já tinha feito alguns campeonatos (campeão GT Ninco), pelo que já estava num estado de preparação elevado.

Para concluir.
Costumo defender que não há maus carros, apenas preparadores preguiçosos.
Mas neste campeonato há claramente uma situação de um mais os outros: há um modelo em clara vantagem para as primeiras posições e há os outros que concorrem para as sobras.

Mais valia permitir os Nissan e McLaren da slot.it, a ver se havia mais variedade na grelha...

Boas gatilhadas!

Hugo Figueiredo disse...

São as situações imprevistas de cada regulamento, por mais esforços que se conduzam na comparação entre modelos.

No anterior Open GT, o Mosler NSR era o anunciado candidato à vitória e nunca conseguiu cumprir essa expectativa. Por outro lado, o Mosler Ninco foi o vencedor das primeiras provas enquanto o Peugeot Silhouette foi ganhando visibilidade com o andamento do campeonato (eram 6 provas, deu imenso tempo para testes). Até houve um Honda NSX e um Toyota Supra da Ninco que deram nas vistas, e mesmo o Nissan da Ninco também prometeu em treinos.

Nas actuais condições, não se previa este domínio do modelo da NSR. Penso talvez que seja o limite de 2.0mm de altura do motor à placa que indirectamente prejudicam o Peugeot Silhouette. Por outro lado, parece que o recurso a pneus de espuma provoca uma excessiva aderência do eixo traseiro que os modelos parecem ter dificuldade em suportar, e talvez o NSR seja o que melhor explora este facto. Quando se corria com pneus de borracha, era nitidamente inferior, por exemplo.

Quanto à condução dos modelos, penso que o actual regulamento é uma clara diferença para o anterior. Perderam o "feeling" magnético e a potência bruta dos motores para exigir uma condução mais "solta", mas sempre concentrada.

Mota disse...

Parabéns Emídio.

Um fim-de-semana em cheio, com vitória no "GT OPen" e na "Formula 1".

Grande desempenho.

Parabéns também ao Maia, que não perde também o combóio nestes dois campeonato.

Um abraço

drivethroughpt.blogpsot.com disse...

Boas

Permitam-me dar a minha humilde opinião de quem percebe muito pouco destas coisas de farilhices, perdão, queria dizer preparação...

Penso que a grande diferença em relação ao anterior campeonato de GT será mesmo o que o Hugo referiu, o uso dos pneus de espuma, que aumentou a aderência na traseira.

Isso trouxe a meu ver muitas vantagens ao modelo da NSR, muito mais flexível que, principalmente dos Ninco, pois consegue lidar melhor com o agarrar da traseira.

Depois há a questão do peso, com o limite de 80gr. A maioria dos modelos Ninco ultrapassa esse peso, mesmo com o interior em lexan, enquanto os NSR necessitam de cerca de 8gr de lastro, que tanta falta fazem na frente.

O motor menos magnético terá prejudicado os Peugeot.

Por outro lado, há um factor X, que é a "qualidade" do motor. Motores sem qualquer tratamento, há os que andam que se fartam, há os que simplesmente não travam, há os que não andam. Há Flat6-R a travar mais que os Flat6 amarelos, que por sua vez andam mais que alguns R laranjas. Uma grande confusão, onde foi preciso terem sorte com os motores.

Claro que, como o Miguel diz, o facto de ser o carro mais largo e mais baixo de todos também ajuda, e muito.

Abraço

Pedro Correia

Emídio Peixoto disse...

Obrigado a todos pelos parabéns!

Hoje aconteceu-me o mesmo que ao Luís quando estava a treinar na pista do Clube Slot de Braga. E a única solução foi mesmo mudar as palhetas!

Concordo plenamente com o facto de o Mosler da NSR ser o carro nitidamente mais beneficiado com este regulamento, sendo imbatível,
Conforme se recordam, no anterior campeonato GT Open venci as duas primeiras provas com um Mosler da Ninco e depois mais duas com um Peugeot da Spirit. Cheguei a ganhar uma prova extra campeonato com um Toyota Supra.
O anterior regulamento favorecia a diversidade de modelos e de preparações.
No entanto, "dura lex, sed lex", ou seja, a lei é dura, mas é lei, pelo que abandonei aqueles três modelos vencedores e aderi ao modelo da NSR.
Na sexta já mais!
Um abraço slotista,
Emídio.

drivethroughpt.blogpsot.com disse...

Penso que o problema é o carro ser efectivamente melhor que a concorrência quando a aderência aumenta, não é por acaso que ganham tudo em pistas Ninco.

A única falha a apontar ao regulamento a meu ver, é o limite mínimo de peso, pois permite aos NSR colocar lastro que, enquanto faz com que se atinja o peso mínimo, ao mesmo tempo equilibram a distribuição de massas, enquanto os Ninco já estão acima do peso sem qualquer lastro, ou seja, lastro só faz o carro engordar ainda mais, basta ver que o Mosler da Ninco Lightned pesa 85,4g ou o novo Murcielago 96gr. Quanto aos Spirit, não sei do peso dos mesmos.

Eu corro com um, mas acho que este carro deveria ser enquadrado na categoria de LMP e não de GT. Uma situação a rever numa eventual