terça-feira, 3 de novembro de 2009

Campeonato Grupo C - 2ª Prova

A comitiva do Campeonato de Grupo C deslocou-se à pista do GT Team para a 2ª prova agendada do campeonato, 1ª a ter lugar naquela pista. Compareceram novamente 16 pilotos à chamada, sendo que um deles (José Ferreira) em participação extra-campeonato.

O parque fechado desta prova contou já com 3 Mazda, bem como 3 Jaguar, 9 Porsche 956 LH e um Porsche 962 a ser estreado pelas mãos do Domingos Calado. Só faltaram os Sauber e Lancia...

A "pole" foi conquistada novamente pelo Luís Azevedo, desta vez aos comandos de um Porsche 956. Na primeira manga, a mais preenchida, correram por opção José Pedro Marques e Carlos Alvim (por impossibilidade de horário), Miguel Guerreiro, Pedro Correia, Domingos Calado e José Ferreira.
O José Pedro assumiu um ritmo muito rápido, sem perseguição aparente. Carlos Alvim lutava com um Miguel Guerreiro que começou lento mas rapidamente encontrou o ritmo, distanciando-se de Pedro Correia e Domingos Calado, que seguiram numa luta a dois, favorável ao Pedro e ao seu Mazda. Na penúltima calha, Carlos Alvim decide abandonar a prova, descontente com o desempenho da sua máquina, entregando assim o 2º lugar ao Miguel. José Pedro conseguiu uma óptima prestação ao vencer a manga por 12 voltas de vantagem, que lhe valeu inclusive o 8 lugar da geral. Miguel Guerreiro, embora distante do José Pedro, obteve o 10º e último lugar pontuável, um bom registo.

Na segunda manga, alinharam somente modelos Jaguar e Mazda e assistiu-se a alguns desempenhos interessantes por parte dos pilotos (José Pedro Vieira, António Maia, Emídio Peixoto, Vítor Lopes e Miguel Queirós).
Numa boa demonstração das capacidades do seu Mazda, José Pedro Vieira obteve autoritariamente um lugar na 2ª manga da prova, demonstrando estar a reencontrar a sua forma (de que tanto já se comentou). Emídio Peixoto assumiu as rédeas da manga ao colocar-se em vantagem sobre António Maia no final da 1ª calha, mas o Maia assumiu um ritmo fortíssimo ao longo da prova e facilmente controlou a manga obtendo no final um registo de 219 voltas que colocou os pilotos da 3ª manga "em sentido"! Vítor Lopes no seu Mazda obteve igualmente um bom registo de 214 voltas, obtendo assim a 2ª posição na manga após desistência do Emídio, à semelhança do Carlos Alvim, descontente com o seu minimodelo. Miguel Quirós, lutando bastante com o seu Jaguar, regista o 3º lugar na manga e o José Pedro Vieira não conseguiu uma prova muito regular e quedou-se pela 11ª posição, "às portas" de um lugar pontuável.

Os pilotos da 3ª manga sabiam que iriam ter de impor um ritmo forte para superar o registo do António Maia. Assim, Hugo Figueiredo, Luís Azevedo, Augusto Amorim, Francisco Matos Jr. e Nuno Aguilar entraram concentrados em prova.
O único Jaguar a quebrar a hegemonia da Porsche nesta manga foi o modelo vencedor da prova anterior, mas desta vez pilotado pelo jovem "Chiquinho". Outra nota de registo é a presença dos 3 modelos do "ART Team" nesta manga. Augusto Amorim e Luís Azevedo lançaram-se para o "ataque" à manga, deixando os outro pilotos para trás. Mas a luta apenas durou na 1ª calha, após a qual Luís Azevedo foi sucessivamente ganhando vantagem ao Augusto, que mantinha igualmente o Hugo à distância. Francisco Matos e Nuno Aguilar seguiam numa luta a dois, que no final foi favorável ao piloto mais experiente. Luís Azevedo vence autoritariamente com 5 voltas de vantagem para o Augusto, que somou 4 voltas de vantagem para o Hugo (que ia deitando tudo a perder na última calha e apenas bateu o registo do Maia por metros).


Luís Azevedo amplia assim a sua vantagem na classificação, que pode ser consultada aqui.


A próxima prova terá lugar no Clube Slot de Braga... estão todos convidados a comparecer!

28 comentários:

Petrus Lusus disse...

Boas

Foi a minha estreia com pneus de silicone e ao contrário da maioria posso dizer que gostei do tipo de comportamento do carro com eles equipados. Apesar de serem obviamente mais lentos que bons pneus de borracha.

Gostei muito do comportamento do meu carro, até porque foi montado em cima do joelho na sexta-feira antes do jantar, tanto que na atrapalhação o motor ficou montado ao contrário fazendo muito pouco efeito magnético, mas tirando isso estava muito bom. Faltou foi habituação ao carro, e dedo, que não se "monta" de um momento para o outro :)...

Quanto à prova o domínio do Luís foi insolente, sendo (ainda) mais rápido com estes carros do que o habitual, sendo que já é rapidíssimo em qualquer carro.

Infelizmente não poderei correr na sexta-feira, outros compromissos inadiáveis.

José Marques disse...

Gostei da prova
correu me bem

foi pena ter que ir embora mais cedo e ser obrigado a correr na primiera manga

José Marques disse...

o meu vídeo da prova xD

http://go-slot.blogspot.com/2009/11/video-grupo-c-2-prova.html

Filipe Vilas Boas disse...

Olá meus caros amigos,

Agora que os dois campeonatos que estão a decorrer vão a meio, acho que deveriam pensar em colocar os regulamentos para as proximas provas... GT Open e Formula 1.

Acho que e com a devida antecedencia, o pessoal poderia começar a preparar os carros, principalmente o GT Open, pois deverão ser carros bastante rápidos.
Se me permitem, e é apenas um aparte e uma opinião, acho que colocar motores Flat para o Gt Open, não é grande ideia.. e digo-o pelos custos nada mais. O Motor Boxer todos têm quanto ao Flat quase ninguem o tem... e estar a comprar motor, peneus de espuma, se forem estes .. enfim, e partindo do principio que todos já tem carro! Deixem o motor Flat para uma resistencia por exemplo... esta é a minha opinião!
Um abraço e boas gatilhadas e parabens Luis... sem espinhas!

Filipe Vilas Boas

J. Pedro Vieira disse...

Bom dia a todos

Sendo a minha primeira prova de grupo C e correndo numa manga com pilotos mais rápidos e a lutar pelo podio (caso por ex. do Antonio Maia que estava na calha ao lado) tentei fazer uma prova que não estraga-se " a vida" a ninguem. Também estou como o Pedro Correia, carro novo e falta o dedo...

Mas foi uma boa prova, parabéns a todos.

Na próxima prova nova estreia, a pista do club slot de Braga... vou tentar não bater em ninguém e, obter os meus primeiros pontos.

Hugo Figueiredo disse...

Olá Filipe,


A ideia de recorrer ao motor Flat é no sentido de inovar num aspecto que até agora tem sido difícil de minimizar, o efeito magnético dos motores. Ao colocar o motor Flat na posição convencional dos motores de caixa larga (o encaixe dos motores nos carros do OpenGT), a face do motor fica algo erguida em comparação ao fundo inferior do chassis e por consequencia, mais distante da pista.

Por outro lado, é um "admirável mundo novo" que nao foi ainda devidademente explorado. Não testados em condições de campeonato, o que se pode ver das utilizações pontuais desta nova classe de motores, é que são máquinas consideráveis...

Contudo, do ponto de vista pessoal, compreendo que é um custo acrescido, efectivamente. Mas é um bocado como tudo no slot. Além disso, depois de ver o número de carros que participaram no último OpenGT (que eram bastantes), devem haver muitos em circulação. Haverá alguns pilotos a necessitar adquirir um, efectivamente, mas há sempre a possibilidade de um "empréstimo" (o meu Peugeot fez o campeonato todo por empréstimo). Além disso, depois da corrida aos pneus de espuma que se viu nos LMPs, penso que está toda a gente devidamente "calçada" (eram 15 pilotos nas provas, dos quais só eu corria de P1!)


Espero ter sido esclarecedor... é sempre complicado levar um regulamento a bom porto, há muitas condicionantes a atrapalhar, e o que se pretende é inovar ou fazer coisas diferentes.


Abraço, Hugo...

Filipe Vilas Boas disse...

Olá Hugo,

Quando referi e refiro sempre a questão dos custos, faço sempre em atenção aos demais... Entendo o porque dessa solução, e pessoalmente não me importo.
A questão é sempre os demais... enfim, foi um aparte, por mim estão á vontade!
Um abraço
Filipe Vilas Boas

Miguel Queiros disse...

Boas.

Concordo com o que disse o Hugo. A ideia é mesmo essa, fazer com que as categorias em disputa sejam variadas. A utilização de motores Boxer iria tornar os GT muito parecidos aos grupo C que estão actualmente em utilização no campeonato.

Por outro lado, há também quem tenha comentado o facto de as categorias serem todas muito parecidas, uma vez que os motores modernos têm todos muito efeito magnético. Daí tentarmos criar uma classe que fosse rápida e sem efeito magnético.

A questão dos custos é complexa. Tentamos sempre, dentro do possível, manter o custo de participação nos campeonatos o mais baixo possível. Pode fazer-se de várias formas, as mais óbvias são: utilização de modelos económicos ou em promoção (caso do recente Troféu Alfa Proslot, com carros que custaram 20 euros) ou reutilização de carros/categorias, (caso do Grupo C ou deste próximo GT Open). Para quem disputou estas classes, não haverá, em princípio, investimento em carro, apenas no motor novo e nos pneus de espuma. Para quem não participou, será sempre necessário comprar carro, motor e pneus, portanto tanto faz uma opção como outra. Mas há sempre quem tenha um "muleto" ou um par de pneus de espuma usados que possa emprestar. Na velha tradição do CSB, não ter carro nunca é motivo para não participar, resolve-se sempre!

Claro que todas as opiniões são bem vindas, servem para encontrar novas soluções para competição salutar, mas não deixa de ser desanimador encontrar sempre resistência à inovação.

Petrus Lusus disse...

Boas

Quanto aos custos do OpenGT, gostaria de lembrar que a Ninco anda em promoções, como foi divulgado para quem está na mailing list do Augusto.

Para quem não tiver carro pode comprar um Murcielago por 20 euros ou um Lexus JGTC por 25.

De resto há a questão dos pneus muita gente tem pneus de espuma, considerando que usando pneus de borracha há pilotos que chegam a usar vários jogos de pneus por campeonato, a questão não passa por aí, até porque uma vez tendo as jantes as espumas são tão económicas como as borrachas.

O mais problemático será mesmo a questão dos motores mas penso que haverão desenvolvimentos nesse sentido

Emídio Peixoto disse...

Antes de mais deixo aqui os meus parabéns ao Luís Azevedo.
Demonstrou pela segunda vez que tem uma condução adaptada a um carro muito bem preparado.
Força Luís, parece que uma vitória no Clube Slot de Braga permitir-te-á desde já festejar o teu primeiro campeonato conjunto de 2009.

Quanto a mim, parece que a silicone que comprei - pneus Slot.It S2 -não resistiu à calha branca e, muito menos, à calha preta da pista do GT TEAM, tendo inclusivamente provocado involuntariamente o despiste do Miguel Queirós que atirou o carro dele para fora da pista.
Daí a inédita - foi a primeira vez - desistência a que me vi obrigado.
No entanto não baixo os braços e, sem qualquer aditivo nuns novos S1, irei participar na prova do Clube Slot de Braga, do qual muito me orgulho.
Portanto, EU VOU!

Quanto ao GT OPEN, tenho a minha opinião que aqui deixo publicamente.
O último campeonato foi corrido com os NC6 da Ninco, motores muito equilibrados e fiáveis. Gostei e recomendo que seja essa a motorização, pois o efeito magnético é pequeno, mas quanto baste!.
Por outro lado, todos já têm um NC6.
Agora motores BOXER, da slot.It, flat ou não, são absolutamente desaconselháveis na minha opinião.
Tenho dúvidas até quanto à sua adaptabilidade a todos os modelos que podem alinhar no GT OPEN.
De resto, ainda não tenho carro preparado e aguardo o regulamento para decidir se alinho com um Spirit, com um Ninco ou com um NSR.

Quanto aos pneus... acho que vai ser interessante com os de espuma e toda a gente os tem.

Mas deixo em aberto a utilização de uns pneus P6 entregues no início da prova e por colar... se querem limitar o efeito magnético esta é sempre uma possibilidade real e efectiva.

Também deixo outra achega para equilibrar o campeonato... então e que tal fixar o número de dentes do pinhão e da cremalheira ?
Mais equilíbrio impossível e já sabem todos que nunca virei a cara a uma boa batalha.

Um abraço slotista,
Emídio Peixoto

Filipe Vilas Boas disse...

Boas,

Aqui estou eu novamente!
Já me arrependi de falar na questão do motor... eh pah, não era para criar qualquer tipo de atrito ou confusão, era meramente uma questão de custos! Não por mim, devo confessar, mas por muitos que gostam de participar mas que têm um orçamento mais limitativo! Bem adiante...
Assim sendo, Flat.. ok, em anglewinder??? Pneus de espuma e se é para diminuir o efeito iman, jante no minimo de 16,5 á frente! Minha opinião claro...

Fico a aguardar os regulamentos para começar a preparar o carro... convem que seja o mais breve possivel que é para quem não tem, comprar o motor!

Um abraço e boas gatilhadas,

Filipe Vilas Boas

P.S. Já agora e indo de encontro ao que já foi feito anteriormente, uma lista de carros que poderão participar dava jeito...

Miguel Queiros disse...

Boas novamente.

Ainda relativamente ao GT-Open:

1) A questão dos motores;
Não entendo porque motivo os motores slot.it seriam desaconselháveis. Concordo que não se utilizem os Boxer, pois são os motores que estão a ser utilizados agora, mas relativamente ao Flat não vejo impedimento (para além do argumento custo já aqui apresentado). Tenho montado num Peugeot da Spirit um Flat R. Não tive qualquer problema de adaptação ou montagem. Simplesmente fica um pouco mais afastado da pista, o que era esperado. Não experimentei em outros modelos (não tenho) mas não prevejo quaisquer dificuldades de montagem, mas quem tentar e verificar que as haja, que diga de sua justiça.
O motor NC6 seria uma boa opção, mas é um motor sujeito a controvérsia. A etiqueta é propícia a manipulação. Claro que seria possível e fácil adoptar a solução de motores sorteados.

2) A questão do magnetismo.
O maior ou menor efeito magnético depende da altura do motor à pista. Não me parece que a simples adopção de pneus P6 iria limitar esse efeito se não for complementado com outras medidas, como limitação da altura mínima do motor à pista, como se tem feito. Mas aí não teríamos nem tracção de pneus nem atracção magnética...

3) Uma relação de transmissão fixa poderia ser uma solução (se se adoptar a opção de motores sorteados, diria que é obrigatório fixar o n.º de dentes).
No entanto não sou adepto desta opção. Considero que a relação de transmissão é um ponto pessoal na preparação dos minimodelos (há quem goste de uma relação curta, há quem goste de relações longas). Preferia dar liberdade de escolha aos participantes para correrem com a relação que acharem mais confortável. Por outro lado parece-me uma solução mais de Troféu que de Campeonato.

Hugo Figueiredo disse...

Ena, agora estamos a ter uma conversa produtiva, por isso não há que lamentar o comentário dos motores, Filipe! ;)


Em relação à adaptabilidade do motor Flat, como disse o Miguel acerca do seu Peugeot, nao vislumbro problemas de adaptação ao meu Mosler, já que o suporte de motor tem os orificios adequados para aparafusar. Os modelos da Ninco que tenham corrido no OpenGT estarão provavelmente todos "furados" para adaptar o parafuso ao motor.

Acerca do pormenor que o Miguel comentou, é de todo o interesse que os pilotos que pretendam participar no campeonato vão já ensaiando montagens dos componentes no carro (sem testes dinamicos) e assim, caso surjam problemas, podem ser resolvidos antes do lançamento do regulamento oficial.


Abraço,

Hugo

Emídio Peixoto disse...

Caro amigo Filipe:
Acho que a dúvida estará entre o Peugeot da Spirit, o Mosler da Ninco e o Mosler da NSR... embora já tenha visto um Lexus a andar muito bem no último GT OPEN.
Um abraço,
Emídio.

Petrus Lusus disse...

Bem, só posso dizer que vi o Peugeot do Miguel a correr equipado com o motor Flat6-R e com pneus de espuma e pareceu-me muito equilibrado e rápido.

O problema do investimento não é assim tão grande, mas também já fizemos 4 campeonatos em que usamos apenas 2 motores, num dos casos um motor que até podia vir do troféu Alfa para metade dos pilotos, sendo o terceiro campeonato. No caso dos Boxer2 também havia motores que já podiam vir das resistências.

Também é preciso variar um pouco e penso que a maioria dos pilotos deverá ter um R8C Reloaded da Slot.it, pelo que devem ter um motor destes lá arrumado. Acho que ter que investir num motor novo depois de 4 campeonatos seja assim tão mau.

Filipe Vilas Boas disse...

Boas,

Assim seja... Vou começar a preparar o meu Mosler da Ninco!
E a posição do motor? Algumas ideias?
Um abraço

Filipe Vilas Boas

Hugo Figueiredo disse...

Caro Filipe,

A posição do motor terá forçosamente de ser Anglewinder, pois é a única comum aos fabricantes envolvidos.

Petrus Lusus disse...

Tirem-me é uma dúvida por favor:

É um dado adquirido que o motor será o Flat-6?

Obrigado

Filipe Vilas Boas disse...

E qual deles???
O vermelho??

Augusto Amorim disse...

Concordo inteiramente com a opinião do Miguel.
A questão da adaptabilidade do motor aos modelos é que tem que ser verificada.

José Marques disse...

Em principio nao vou participar nesses campeonatos pois nao tenho carro, nem grande material para lhe por.
Principalmente se for motor flat e pneus de espuma

Os campeonatos sao so de 4 provas da dois campeonatos por mes
é muito para ir a todos

Anónimo disse...

só para tornar oficial algo que parece que já consta... os pneus de silicone melhoram consideravelmente com a colocação de Liqui Molly, o vulgar spray que parece ter sido oferecido àqueles que participaram no troféu com o mm nome...

Hugo Figueiredo disse...

Ainda assim restam dúvidas sobre a fixação de compostos pelos pneus de silicone, parecem ter uma capacidade adsorvente muito menor que a borracha.

Isto, conciliado com outras dúvidas que esse produto suscita (aparentemente ataca o plástico da pista), deixa-nos um bocado apreensivos quanto à utilização abusiva desse produto...

Para não falar no ponto 1.6 do regulamento que é, habitualmente, esquecido... e passo a citar o dito esquecimento: "Os pneus traseiros não poderão ser tratados com produtos que alterem a sua aderência."

Augusto Amorim disse...

Penso que o melhor seria alterar o ponto do regulamento para "Não se pode utilizar produtos nos pneus, quer alterem ou não a sua aderencia". Penso que um grande problema é o de não saber quais são os produtos que atacam o silicone.

Aproveito para outra oficial também: A saliva altera consideravelmente a aderencia dos pneus de silicone.

Como aparte, penso que se deveria ter cuidado com a utilização desses produtos sobre a pista. Penso que é do conhecimento de todos que produtos tipo penetrating (Liqui Moly, BP..), gasolina (tipo zipper, normal...), silicilato e até a "nhanha" corroem a pista plástica. Que o diga a aontiga pista do CSB nas "Boxes". Na Trofa tomaram um boa medida em relação a isso: quem o fizer tem que pagar o estrago que provoca.

Abraço
Augusto

Petrus Lusus disse...

Eu estou com o Augusto, quem tem dúvidas, basta ver as placas tanto da nossa pista como do GT quando estão secas.

E estragando as pistas só há uma solução, trocar, para trocar é preciso dinheiro, logo teremos que aumentar cotas e taxas de inscrição nas provas e acabam por pagar todos.

Hugo Figueiredo disse...

Eu não guardo segredos das minhas preparações: usei aqueles pneus sobressalentes que a Slot.It fornece com os modelos (são S2, salvo erro, com dimensoes de 20x11 ou 20x10).

Durante o tempo de vida destes, só limpei ocasionalmente com gasolina azul (ou gasolina de isqueiro, como preferirem). Nas provas realizadas até dispensei a limpeza dos pneus entre a qualificativa e a corrida. De resto, nem vapores de líquidos estranhos - em tempos corri com pneus de silicone sem saber e reparava que os óleos convencionais nao funcionavam porque o composto não os absorvia.

O que posso dizer é que os pneus do meu Porsche não me desiludiram pra já. "Escorregam", é um facto... mas isso aí é trabalhar o dedinho - também faz parte da modalidade...

J.C.Nogueira disse...

Viva.
Parabéns por mais uma boa organização, e mai ainda por uma boa reportagem.
Cumprimentos de
J.C.Nogueira

Hugo Figueiredo disse...

Obrigado, caro Nogueira. As palavras de encorajamento dos membros externos ao Clube são sempre bem recebidas, mas desde já lanço um desafio: seguir as reportagens que são escritas nos dias seguintes à prova é de certa forma ler as emoções arrefecidas por uma noite de sono, por isso que tal comparecer uma destas 6as feiras para sentir o ambiente? Afinal, a distância não é assim tão grande ;)


Um abraço,

Hugo